Que pode, pode

Imprimir   Imprimir

Que Pode, Pode
Bia Bedran

Pode ser pelo cheiro do cangote
Pode ser um xodó mais forte
Pode ser porque a gente encaixa direitinho
Quando dança pode, pode ser.
Pode ser porque a gente se vê pouco
E quando vê dá um desejo louco
É por um azar da sorte, é pela sorte do azar
Que o destino faz a gente
voltar e meia se encontrar.
Você desaparece de repente feito um bicho
Atrás de um canto, de um cantinho pra ficar
Quando eu percebo, eu vou embora,
Espero o cio
Que faz você, um dia assim, me procurar
Você me encontra sem que saiba meu destino
Só pelo faro, pelo instinto caçador
Pode ser, de fato, apenas uma brincadeira
Mas pode ser uma espécie de amor
Que desobedece
toda a regra e que zoneia
Meus labirintos com um
zunido tentador, viu?
E de repente cada um tem sua companhia
Ou mesmo sua turma, sua solidão
E vai levando o barco,
mas à revelia do que pensa,
Vai agir o coração
Então a gente, sem saber, torce o caminho,
E dobra a esquina que era
pra dobrar mais não,
E dá de cara
um com o outro, desarmados…
Vai logo dando um
abraço cheio de carinho,
Pode chamar de caso
meio assim desgovernado,
A gente é um do outro,
sem deixar de ser sozinho, viu?
Lindo feito a natureza,
Corrente a me levar
Nosso amor está encantando,
E nunca vai se acabar.

Logo m3 Agência Digital